Ícone do clima
  • Música ao vivo e shows

Stanley Jordan toca Jimi

Esse evento ocorreu no passado
6 de abril de 2024
8:30 PM - 10:00 PM
Ícone de pino de mapa

94 NE 2nd Ave
Delray Beach, FL 33444

pixel de espaço reservado

Visão geral

Menu Abrir Menu Fechado

O guitarrista de renome mundial Stanley Jordan desenvolveu um novo show ao vivo chamado "Stanley Jordan Plays Jimi". Esse é um show de tributo, mas não é pura imitação. Em vez disso, Stanley se baseia no legado de Jimi de uma forma criativa. Como Stanley explica, "Este é o meu show de fantasia de Jimi Hendrix se Jimi ainda estivesse vivo e tocando hoje. Ao reimaginar sua música e canalizar sua personalidade, tento dar vida a essa fantasia".

Pode ser surpreendente que Stanley Jordan tenha assumido um projeto como esse. Afinal de contas, Stanley já é um guitarrista conhecido com um estilo próprio, quatro indicações ao Grammy, uma participação especial em um filme de Blake Edwards (Blind Date) e uma série de aparições na TV durante uma longa carreira, incluindo Jimmy Fallon, David Letterman, Jay Leno e Johnny Carson, para citar alguns. Mas Stanley explica: "Sinto uma forte ligação com Jimi Hendrix porque ele foi o primeiro guitarrista que imitei quando criança. Por amor a Jimi e sua música, sinto um forte desejo de tentar manter seu legado vivo".

Também pode ser surpreendente que uma lenda do rock como Hendrix receba tanto amor de uma lenda do jazz como Jordan. O álbum Magic Touch de Stanley, de 1985, foi #1 na parada de jazz da Billboard por 51 semanas, e Stanley dividiu o palco ou gravou com artistas de jazz como Benny Carter, Dizzy Gillespie, Miles Davis e Billy Cobham. Mas, novamente, ouvindo Stanley, "na verdade, toquei rock e blues antes de tocar jazz. Na verdade, a busca constante de Jimi por novos sons me inspirou a me aproximar do jazz em primeiro lugar". Nos últimos anos, Stanley se apresentou com muitos artistas do mundo do rock e das jam bands, incluindo Dave Matthews Band, Umphrey's McGee, Moe e outros. Stanley diz: "Retornar às minhas raízes do rock tem sido uma alegria absoluta do ponto de vista artístico e, com esse projeto, estou levando isso a um novo patamar."

Outro aspecto importante é a incorporação da personalidade de Jimi. Stanley realmente entra no palco como Jimi Hendrix, portanto, há um elemento teatral no show. Mas não se trata de uma caricatura cômica nem de uma peça teatral, e sim de um show. É um show construído com base em um esforço sincero e sentido para recriar a experiência de cair o queixo de assistir a Jimi Hendrix ao vivo e, ao mesmo tempo, atualizar o legado de Jimi de forma crível. Uau! Uma tarefa difícil de cumprir&não? É por isso que você precisa de um artista de classe mundial do calibre de Stanley Jordan para fazer isso.

Esse toque extra de retratar o Hendrix de hoje, e não o de ontem, mantém o show criativo e atualizado, tanto para Stanley quanto para o público, e dá aos fãs de Stanley uma nova visão da evolução do próprio Stanley. Isso também torna o show mais autêntico em um certo sentido, porque um show real de Hendrix teria surpresas e viradas inesperadas. "Stanley Jordan Plays Jimi" tenta recriar tanto a energia quanto a criatividade do show real.

"Esse seria um esforço desafiador para qualquer pessoa", explica Stanley. "Com certeza você pode fazer um show impressionante com apenas duas ou três de suas técnicas. Mas estou me esforçando ao máximo para cobrir o máximo possível de seu trabalho e, ao mesmo tempo, tentar desenvolvê-lo, o que, na minha opinião, é o coração e a alma desse projeto. A verdade é que ninguém sabe realmente o que Jimi estaria fazendo hoje. Mas sabemos que ele teria continuado a evoluir. Isso me dá uma certa margem de manobra criativa e permite que minha própria identidade apareça, pois estamos vendo Hendrix pelas minhas lentes. Mas também é um desafio para mim, porque não posso fazer qualquer coisa; tem que fazer sentido e parecer algo que Jimi poderia ter feito de fato." Uma das maneiras pelas quais Stanley se baseia no legado de Jimi é expandindo alguns dos elementos de jazz que Jimi estava evidentemente buscando no final de sua vida. Stanley diz: "Sabemos que ele tocava com Rasaan Roland Kirk e Larry Young, e que havia planos de colaborar com Miles Davis e Gil Evans. É possível ouvi-lo alcançar e expandir seu vocabulário em álbuns como Nine To The Universe, que foi muito influente para mim quando eu era jovem. E algumas de suas composições têm uma espécie de ritmo jazzístico, como 'Up from the Skies' e 'Belly Button Window'. Eu tento expandir isso".

Stanley também se baseia no trabalho de Jimi ao incorporar técnicas de toque, ou tapping com as duas mãos. Muitas pessoas associam isso mais ao Van Halen do que a Hendrix, mas Stanley diz: "Na verdade, tirei a ideia de Jimi Hendrix. Eu o vi fazer isso apenas com a mão esquerda, mas isso era tudo o que eu precisava ver. Eu apenas acrescentei a mão direita, que era uma extensão óbvia". E ele ampliou. Hoje, Stanley Jordan é considerado por muitos como o melhor sapateador do mundo, tendo desenvolvido esse estilo em um rico estilo pianístico.

Jimi Hendrix não era alheio à eletrônica e Stanley também se baseia nisso, dizendo: "É claro que uso feedback e efeitos, assim como Jimi fazia. Mas evito sequenciadores programados e faixas pré-gravadas porque simplesmente não há evidências suficientes de que Jimi teria seguido esse caminho. E a verdadeira genialidade do que ele fez consistiu em se tornar parte do circuito, em vez de externá-lo. Para Jimi, a eletrônica não era um fim em si mesma, mas um meio para um fim... uma extensão do instrumento e um canal de seu espírito."

Stanley também acrescenta algumas composições originais ao setlist&músicas de fantasia que poderiam ter sido escritas por Jimi hoje, apenas para completar o repertório e dar forma a alguns dos novos conceitos que Jimi estava desenvolvendo. Lembre-se... este é o Hendrix de hoje, não de ontem.

Em termos de aparência e estilo, Stanley se mantém fiel ao estilo tradicional de Jimi. É claro que sabemos que Jimi já poderia ter evoluído significativamente em seu estilo de roupas, mas Stanley não especula muito nessa área, explicando: "A verdade é que, neste show, sou músico e ator, e quero que meu personagem seja crível. Acho que a melhor maneira de fazer isso é ser bastante fiel ao Jimi Hendrix que todos nós conhecemos."

"Stanley Jordan Plays Jimi" é um projeto novo, mas é baseado em uma ideia antiga. Stanley diz: "Em 1970, aos 11 anos de idade, fiquei triste ao saber do falecimento de Jimi. Decidi ali mesmo tentar continuar seu legado, então comecei a tocar guitarra. É claro que meu objetivo principal era ser um artista original por mim mesmo, mas o conceito de um tributo a Hendrix esteve em minha mente praticamente desde o início. Agora, no ano do 50º aniversário da histórica apresentação de Jimi em Woodstock, parece ser o momento certo para concretizar essa ideia."

Kenwood Dennard é o baterista perfeito para essa banda, pois combina a profundidade de Buddy Miles com os enfeites jazzísticos de Mitch Mitchell. E ele conhece a música de Jimi por dentro e por fora. Ele é professor da Berklee College of Music, onde lidera o Jimi Hendrix Ensemble há 20 anos.

Kenwood teve uma carreira multifacetada e repleta de estrelas como músico, artista musical e educador. Ele fez turnês pelo mundo e se apresentou com grandes nomes como Jaco Pastorius, George Clinton, Chick Corea, Dizzy Gillespie, Herbie Hancock, Sting, Pat Martino, Maceo Parker, Stanley Jordan, Gil Evans Orchestra, Wayne Shorter, Robin Eubanks, Esperanza Spaulding, Tal Wilkenfeld, Art Blakey, Charles Mingus, Bobby McFerrin, Amad Jamal, Larry Coryell, Pharoh Saunders, Howard Johnson, Taj Mahal, Whitney Houston, Tito Puente, Diane Reeves, Wayne Shorter, The Allman Brothers Band, Warren Haynes e Joe Zawinul; e liderou o Meta-Funk All-Stars, o Real Thing e o Quintessence.

Suas inúmeras gravações incluem Nothing Like the Sun de Sting, indicado ao Grammy, Joyous Lake de Pat Martino, Brand X Livestock (I e II), Word of Mouth Band 1983 Japan Tour de Jaco Pastorius com Kazumi Watanabe, Bushrock Reset, Life on Planet Groove de Maceo Parker, Friends de Stanley Jordan, Naicin High Bias, The Sweetest Days de Vanessa Williams e Live at Montreux com Miles Davis e Quincy Jones. Seu primeiro disco solo, Just Advance, foi lançado em 1991 e seu último lançamento, Show No Fear, foi lançado pela Groove Economy Records no outono de 2018.

Kenwood também é conhecido como pioneiro no domínio da performance ao vivo multi-instrumental simultânea, tocando dois teclados, bateria e cantando ao mesmo tempo, o que ele chama de Coordenação Pansônica. Ele diz: "Depois de tocar com Pat Martino e Brand X, decidi me concentrar no desenvolvimento do MRO. Meu primeiro show foi em 1979, quando toquei três teclados e bateria ao mesmo tempo. Por fim, desenvolvi o sistema até o ponto em que conseguia tocar oito ostinatos ao mesmo tempo, o que me levou a tocar todas as partes de uma música e a soar como uma banda inteira.

MEMBROS DA BANDA:
Stanley Jordan e vocais principais, violão
Greg Koerner e baixista
Kenwood Dennard e baterista

Horas

Menu Abrir Menu Fechado
De: 08:30 PM a 10:00 PM

Mapa

Menu Abrir Menu Fechado

Planeje sua estadia

Navegue pelas opções de hospedagem no primeiro, o único, Palm Beaches e descubra o primeiro destino de resort da América no ensolarado sul da Flórida.

Receba nosso boletim informativo

Obter um guia de visitantes

pt_BRPortuguês do Brasil